O líder propositivo – parte 01

Tempo de leitura: 15 minutos

Ebook - Liderança

O que você sabe sobre o processo da liderança?

O que é necessário para liderar com sucesso?

Quais conhecimentos? Quais as competências? Quais as habilidades?

O que devo saber para ampliar as minhas oportunidades de sucesso?

Quais as competências especificas que um líder ‘Gestor de si’ deve ter?

Como fazer uma reflexão sobre essas competências específicas?

Perguntas fundamentais quando se discute os bons resultados de um líder ‘Gestor de si’. Você já parou para fazer essas reflexões?

Sabe-se que as demandas dos líderes são inúmeras e que o ambiente corporativo vive cobrando resultados, principalmente no curto prazo. Para alcançar bons resultados nas questões organizacionais, o líder ‘Gestor de si’ deverá reunir competências que vão muito além das estabelecidas na maioria dos cursos que existem no mercado.

Você já se perguntou sobre isso?

Tal inquietude é uma constante nas mentes de líderes de sucesso! Se você deseja conhecer essas competências específicas, sem dúvida lerá esse artigo até o fim. Nele apresentarei dicas importantíssimas que auxiliarão você a fazer uma poderosa reflexão para agregar muito mais valor para você!!!

Torna-se importante você entender que essas dicas precisam ser observadas, revisitadas constantemente, e mais importante, praticadas no seu dia a dia. Contudo, cabe alertas que somente elas sozinhas não bastam, contudo são fundamentais para seu sucesso. Por isso, em nosso blog, temos muito material para poder continuar te ajudando a se tornar um líder ‘Gestor de si’ cada vez mais assertivo.

O importante, inicialmente, é que a medida que você for lendo esse artigo, reflita sobre essas competências presentadas, verificando quais delas você reúne. O líder ‘Gestor de si’ sabe que a sua caminhada é constante, intensa e evolutiva. A chave do sucesso é o conhecimento posto em ação, ou seja, gerar resultados conforme o planejado.

Garanto que você desenvolvendo essas competências específicas durante o processo de construção da sua liderança você se tornará muito melhor. Aqui você entenderá porque essas competências apresentadas são um diferencial tremendo para o Líder ‘Gestor de si’.

Você pode estar se questionando: mas, será possível?

Então, continue lendo esse artigo porque ele contém dicas que você precisa saber sobre

Introdução

O desenvolvimento de competências pode melhorar o desempenho, visto que confere eficiência, diferenciação e competitividade das organizações, bem como dos indivíduos. O mapeamento das competências humanas e organizacionais torna-se prática constante para os líderes que desejam alcançar melhores resultados. Diversas são as dimensões das competências individuais e organizacionais, podendo ser citadas entre elas as competências essenciais, diferenciadoras, esperadas, básicas, de suporte e as que oferecem um dinamismo as organizações.

A gestão por competências de um líder “Gestor de si’ tem como objetivo preparar os indivíduos que ajudarão a organização a atingir seus objetivos, identificando as competências que podem garantir e manter o sucesso da mesma no estágio atual e futuro.

Como boa parte das estratégias está associada ao papel do líder, pode-se entender que mapear as competências do mesmo é fundamental para que haja possibilidade de se alcançar resultados. Não se deseja de forma alguma uma lista de competências definitiva, mas tão somente apresentar algumas competências que são fundamentais para o líder propositivo.

Todavia, mais que necessárias a identificação e o desenvolvimento de competências que correspondam àquelas relacionadas ao alcance dos anseios das organizações e que tragam benefícios aos profissionais, tornaram-se essenciais às metodologias de gestão aplicadas nas administrações modernas.

Pois, considerando que o estabelecimento de um planejamento estratégico, por si só não se basta, somente a partir de sua plena execução é que se faz possível transformar a realidade. E dessa forma, pode-se desenvolver as inovações desejáveis e, assim, garantir a vantagem competitiva das empresas.

O desafio dos líderes é conseguir criar medidas específicas para administrar o processo de desenvolvimento de competências. As organizações precisam se ver como um portfólio de competências essenciais, que combinam tecnologias, aprendizado individual e coletivo, bem como a capacidade de compartilhamento.

A competência é um saber agir responsável e reconhecido, que implica mobilizar, integrar, transferir conhecimentos, recursos e habilidades que agreguem valor econômico à organização e valor social ao indivíduo (FLEURY).

Podendo também ser entendido como o conjunto de ferramentas, instrumentos e processos metodológicos voltados para a gestão estratégica de pessoas (GRAMIGNA, 2007).

A competência é tomar iniciativa e assumir responsabilidades do indivíduo diante de situações profissionais com as quais se depara. […] Tomar iniciativa é uma ação que modifica algo que existe, que introduz algo novo, que começa alguma coisa, que cria (ZARIFIAN, 2006).

O que são essas competências?

Imbuídos de uma compreensão mais concreta sobre competência, ainda se faz necessário compreender que sua eficácia se revela através de sua correspondência às estratégias de uma organização, que por sua vez dispõe de uma diversidade de competências envolvidas em seus processos.

Diante do exposto, apresentam-se várias perspectivas de taxonomia das competências profissionais, das quais foram selecionadas algumas propostas como complemento desse estudo:

Competências Organizacionais

Competências relacionadas com as diretrizes estratégicas da organização, tratadas como uma forma de configuração real dos ideais organizacionais. Ex.: Antecipar-se aos cenários futuros do mercado corresponder às expectativas dos clientes, dinamizar os processos de produção, etc.

As Competências Organizacionais podem ainda ser melhor reconhecidas se identificadas como Diferenciais, Essenciais e Básicas. Sendo, as Competências Organizacionais Diferenciais aquelas consideradas estratégicas, as que estabelecem a vantagem competitiva da organização.

As Competências Organizacionais Essenciais são associadas ao sucesso do negócio e necessitam serem claramente percebidas pelos clientes. Enquanto que as Competências Organizacionais Básicas são requeridas para que a organização funcione eficientemente, tendo sua maior percepção no ambiente interno.

Todas as competências organizacionais retratam os meios pelos quais as linhas de ações estratégicas serão postas em prática. Com esta quase personificação da organização pretende-se construir um nível tático das competências, que dá origem ao desdobramento operacional das competências humanas que será explicitada a seguir.

Competências Humanas

São referentes às capacidades das pessoas, colocadas em ação frente a uma circunstância específica, a fim de promover solução ou aperfeiçoamento de seu estado inicial. Estas competências, ainda podem ser identificadas como Técnicas ou Comportamentais, sendo a primeira referente a todos os atributos que um profissional precisa ter para desenvolver suas atividades a contento e, a segunda, são as características específicas de um indivíduo que mantém o seu diferencial competitivo.

Pressupondo-se que é por uma Competência Humana que o indivíduo se torna capaz de exercer uma atitude que objetive mudança à realidade, é bem certo que muitos deverão ser os atributos para a sua composição. Aqui enunciar-se-á cinco atributos que articulados em uma relação de interdependência, promovem uma ação eficiente, eficaz e efetiva, que, sobretudo, agrega valores econômicos e sociais aos envolvidos.

As competências e seus atributos

Frequentemente na literatura os atributos de uma competência são identificados como CHA (Conhecimento, Habilidade e Atitude). Com base numa observação mais aprofundada sobre as atuais exigências dos profissionais, bem como sobre os fatores que influenciam o sucesso de uma ação, propõe-se aqui o acréscimo de mais dois atributos, Valores e Estruturas, que combinados aos demais compõe a CHAVE para a aquisição e aplicação de uma competência.

Serão descritas a seguir ideias acerca de cada atributo que compõe uma competência, ressaltando-se que esta estruturação tem apenas caráter didático, pois somente pela interseção de todos, numa relação de equilíbrio é que uma competência pode ser concebida.

 

Conhecimento O Saber

Ter informações a respeito do objeto, distinguir o porquê, o quê, o para quê, bem como conseguir traçar perspectivas e sugestões.

É o portfólio de esquemas que sustentam a competência. Sua manutenção se dá tanto pela aquisição de novas informações, como a partir do movimento de feedback ocorrido após a aplicação de uma competência, onde retornam todas as referências para o seu aperfeiçoamento.

 

Habilidade

O Saber Fazer

Ter condições de colocar em prática as intervenções necessárias ao objeto, sabendo aplicar os conhecimentos por meio de ações.

Uso da ação psicomotora do indivíduo, numa materialização dos atributos cognitivos, que exterioriza a competência e promove a intervenção na realidade.

 

Atitude

O Querer Fazer

Sair de uma posição de inércia e promover a relação entre o conhecimento e a habilidade.

Fundamenta-se na motivação, que dá sentindo a ação e faz com que ela ocorra. Neste atributo encontra-se o propósito para a aplicação da competência.

 

 

Valor

O Saber Ser

Ter consciência moral sobre o objeto, capacidade de reação entre o certo e o errado, saber distinguir e posicionar-se entre o bem e o mal. Visto este dilema entrar em um campo bastante delicado, pela subjetividade das interpretações, bem como pela já tratada relação entre as competências e o posicionamento organizacional, estabelece-se como parâmetro de análise desse atributo sua correspondência com os valores identificados durante o posicionamento estratégico da organização.
 

Estrutura

Ter condições

Dispor da força vital para a realização das ações, ou seja, dos atributos físicos e mentais, ou alternativas eficientes, que darão as condições à competência.

Este atributo exige do indivíduo a manutenção da saúde de seu corpo, instrumento que dá vida aos demais elementos que compõem uma competência.

Figura 1: Descrição dos atributos que compõem a competência

A literatura dominante acerca do tema expressa em linhas gerais que é fácil compreender a dificuldade de muitos gestores, principalmente aqueles mais ortodoxos, em absorver os projetos referentes ao desenvolvimento do Capital Humano, como estratégias de gestão do conhecimento e de gestão por competência.

O que requer maiores habilidades dos seus proponentes em estabelecer indicadores reais para a demonstração de sua eficácia, ou seja, descrever, da forma mais clara possível, a relação entre o alcance de Vantagens Competitivas e o desenvolvimento dos Ativos Intangíveis.

Abdicar desta estratégia é incorrer no erro de não dar visibilidade às repercussões positivas dos projetos e programas implementados, colocando em dúvida a permanência das estratégias de gestão de pessoas, essenciais ao sucesso dos processos e alcance dos resultados organizacionais.

Comportamentos e atitudes desejadas para o líder Gestor de Si

Qualquer que seja a metodologia escolhida para a mensuração do Capital Intelectual é imprescindível o seu vínculo com o valor acionário da empresa, pois as variações deste valor ao longo do tempo é que podem levar a algumas conclusões sobre a efetividade das estratégias aplicadas pela empresa.

É bem certo, que alguns dos elementos que compõem o Capital Intelectual sofrem da Armadilha da Defasagem do Tempo, como é o caso do Capital Humano e de Inovação, que requerem tempo para produzir resultados mensuráveis ou, ainda, os resultados observados numa análise circunstancial têm relação com intervenções anteriores. Nesse processo de construção da aprendizagem evidencia-se um conjunto de comportamentos básicos e atitudes que possam contribuir positivamente para o alcance de resultados adequados aos projetados.

Na figura a seguir, apresenta-se os principais:

Comportamento esperado Atitudes desejadas
 

Ações e atitudes para superação de metas

Transformar faz metas e os objetivos em gestão e compromisso pessoal;

Seguir a orientação estratégica;

Ser ágil; e

Dar retorno sobre a evolução dos trabalhos.

 

Capacidade Empreendedora

Identificar oportunidades e propõe melhorias no processo;

Assumir responsabilidades por ações passadas;

Reconhecer erros,  buscando alternativas para consertá-los; e

Executar o que deve ser feito sem precisar de comando.

 

Comprometimento

Ser pontual e assíduo;

Ser interessado e responsável;

Estar envolvido com as iniciativas da Organização; e

Conhecer e respeitar os princípios e valores da Organização.

 

Conhecimento e Compreensão da Função

Conhecer seu trabalho, bem como o que precisa para alcançar metas;

Estar atualizado profissionalmente; e

Acompanhar as evoluções e as tendências relacionadas à sua atividade.

 

 

Cooperação

Cooperar com os colegas e superiores na execução das atividades;

Compreender a interdependência de suas atividades com as demais áreas; e

Possuir espírito de equipe.

 

Criatividade

Propor soluções inovadoras para aprimorar os processos;

Enxergar oportunidades de negócios; e

Identificar causas de problemas ocorridos e sugere soluções.

 

 

Desenvolvimento da equipe

Orientar e ajudar cada colaborador a melhor seu desempenho;

Manter os colaboradores informados para a execução de suas atividades e dar retorno sobre a sua atuação;

Identificar problemas de desempenho e alternativas para solução; e

Estimular a equipe a buscar resultados superiores.

 

Produtividade

Organizar seu trabalho de modo a facilitar a execução e continuidade por outros colegas; e

Ser eficiente e ágil naquilo que faz.

Habilidade para negociar Demonstrar segurança e clareza ao negociar;

Zelar pelos interesses da Organização; e

Argumentar com coerência, segurança e tranquilidade.

Planejamento e organização Planejar as atividades;

Priorizar as ações necessárias para execução;

Possuir atitudes voltadas à racionalização de recursos;

Estabelecer e acompanhar metas para alcançar os resultados.

Relacionamento interpessoal Possuir habilidade de contato favorecendo o trabalho;

Expressar-se de forma clara e oportuna para ser entendido; e

Saber ouvir e compreende o ponto de visto do outro.

 

Tomada de decisão

Fundamentar as suas decisões em dados e fatos;

Assumir riscos calculados e aprende com os erros;

Saber caracterizar um problema e identifica soluções; e

Converter decisões em ação e persiste até a conclusão.

 

 

Liderança propositiva

Conhecer o negócio;

Planejar, saber delegar e acompanhar as metas;

Inspirar confiança na equipe e mostrar convicção no que precisa ser feito; e

Reforçar a cooperação e gerencia conflitos com diplomacia.

Figura 2: Comportamentos e atitudes desejadas para o líder Gestor de Si

Contudo, nunca é demais reforçar o pressuposto de que os objetivos organizacionais não se darão somente pelo estoque de competências, mas sim pela sua dinâmica na organização e do setor da economia, as competências humanas são reveladas quando as pessoas agem ante as situações profissionais com as quais se deparam e servem como ligação entre as condutas individuais e as estratégias da organização.

Numa proposta de aprimoramento das competências para o alcance dos objetivos estratégicos da organização, destaca-se o nível que o seu desempenho e o resultado de sua aplicação trazem para a organização e para a própria pessoa, ou seja, a agregação de valor gerada a partir da sua aplicação, tanto no âmbito econômico como social.

Esse artigo se divide em três partes, essa exposta anteriormente e que você acabou de ler, bem como outras duas partes que serão divulgadas nas próximas semanas que trataram das seguidas competências específicas: Visão sistêmica, comunicação estratégica, execução estratégica, excelência em processos, gestão e foco em resultados, análise de desempenho, construção de equipe, desenvolvimento e gestão de pessoas.

Pense mais nessas competências essenciais quando você quando estiver exercendo a liderança!

Dedique-se mais ao trabalho fazendo uso dessas competências! Veja sua posição como uma responsabilidade e não como um privilégio.

O conhecimento é a bússola que deve norteá-lo e o argumento que você deve usar para desenvolver o seu time.

Pronto! Você já sabe em que deve se concentrar e o que deve buscar para melhorar sua liderança. Desejo que você tenha uma caminhada feliz e que alcance o sucesso!

Aproveito para convidá-lo para ler as outras duas partes sobre essas competências.